Drummond e sua lanterna

Num texto postado logo após minha volta para os ares franceses falei de minhas angustias usando uma lanterna, ela era emprestada. Era do Drummond. Então resolvi mostrá-la com o dono. Como vocês poderão notar, ela é mais bonitinha sem as sombras do emprestimo. Abraço carinhoso. Jampa.

A lanterninha

APAGUEI TODAS AS LUZES, e não foi por economia; foi porque me deram uma lanterna de bolso, e tive a idéia de fazer a experiência da luz errante.

A casa, com seus corredores, portas, móveis e ângulos que recebiam iluminação plena, passou a ser um lugar estranho, variável, em que só se viam seções de paredes e objetos, nunca a totalidade. E as seções giravam, desapareciam, transformavam-se. Isso me encantou. Eudescobria outra casa dentro da casa.

A lanterna passava pelas coisas com uma fantasia criativa e destrutiva que subvertia o real. Mas o que é o real, senão o acaso da iluminação? Apurei que as coisas não existem por si, mas pela claridade que as modela e projeta em nossa percepção visual. E que a luz é Deus.

A patir daí entronizei minha lanterninha em pequeno nincho colocado na estante, e dispensei-me de ler os tratados que me perturbavam a consciência.Todas as noites retio-a de lá e mergulho no divino. Até que um dia me canse e tenha de inventar uma outra divindade.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s