Variações entre miserabilismo e populismo

Escrevo esse texto motivado por um pequeno debate existente entre mim e meu amigo Júlio. No fundo, uma pequena querela sobre o fenômeno do lixo cultural e das leituras que podemos fazer dele num texto para o “grande público”. Além disso, também vou procurar alargar o debate no sentido de analisar a questão de maneira livre, porém me detendo aos pormenores das estruturas analíticas usadas por mim. Coisa que sempre costumo fazer para treinar, mesmo em textos despretensiosos, a pretensiosa prática da reflexividade levada ao extremo: analisar as condições de analise é sempre uma das maneiras mais seguras de tentar controlar o nível de “pré-julgamentos” daquilo que dizemos. Mesmo que isso não nos dê garantia plena da verdade dos nossos ditos, dá ao leitor elementos para entender melhor, em etapa posterior, os erros ocorridos e os preconceitos emitidos, garantido assim, senão a verdade dada pelo o esforço do autor, ao menos a verdade decorrente desse esforço.

A)- A variação entre miserabilismo e populismo em textos acadêmicos

Vou tentar discorrer em tipologia sobre coisas que em realidade só existem de maneira compósita nos textos. Apenas em alguns casos grotescos poderiamos encontrar miserabilismo e populismo de maneira pura, sem as oscilações e variações dos elementos constituintes das duas visões caricaturais do popular decorrentes de tipos de análise especificas do que se diz popular. Como não poderia deixar de ser, os tipos de análise são também variados e ambivalentes nunca aparecendo em estado puro. Motivo pelo qual concordo com a opinião emitida por Júlio quando disse que ” é preciso ser cuidadoso para falar sobre esse assunto sem soar preconceituoso. Você vai experimentar e sentir isso.” Porém, vejo que é justamente na palavra cuidadoso o lugar onde esconde-se os melhores indicadores para esse debate. Pois o preconceito é para mim geralmente o resultado de uma falta de cuidado. Porém é preciso cuidar do cuidado que devemos ter, se me faço claro. E para isso é preciso recorrer ao entendimento dos elementos constitutivos das formas de encarar a cultura popular no discurso. Além disso, deve-se evidenciar o que se coloca em jogo quando arbritamos entre essas formas.

B) Pequena Reflexão sobre a analise ideológica e da produção do miserabilismo

O que me incomda em certos textos é o fato de se aceitar de maneira acrítica um elemento do discurso recorrente em arte sobre a questão do bom gosto. Lixo cultural, parece-me, como também o kitch, duas faces de um mesmo fenômeno de classificação desvalorizante da produção artistica dita popular. Recorrem os artitas do kitch e do lixo cultural, enquanto ideólogos do discurso da reutilização das “artes menores”, ao arbitrário argumento de que existem pessoas capazes de dar verdadeiro valor estético ao que antes se apresentava apenas como “experiência espontanea” da vulgata pseudo-artistica da produção popular. O que deveria obrigar, da parte de quem analisa a questão, seja ele jornalista, sociólogo ou qualquer outra coisa que os valha, uma preocupação sobre as razões e justificativas de um tal argumento.

Para mim, por um lado, é preciso recorrer à uma analise idelógica de corte sociológico para reenquadrar os elementos dessa problemática de maneira mais adequada. Porém sei que, por outro lado, isso seria imcompleto para uma leitura visando o perfeito entendimento do valor das obras produzidas por populares. De fato, além da questão da dominação das “elites culturais” sobre os produtores das “artes menores” existe o fato, ao meu ver pouco contestável hoje, da relativa autonomia entre as culturas. Fato que daria ao produto das artes populares um valor em si digno de nota e que, não poucas vezes, nos discursos demasiadamente relativisticos, incorrem no erro populista de eliminar o fator de dominação para afirmar de maneira errônea a autonomia total das artes populares.

C) Exemplo paraibando em Recife: um caso típico do discurso da reutilização.

Em Recife temos um bom exemplo desse contraste que mereceria um estudo: Ariano Suassuna e seu projeto estético armorial. Mas quem teria a coragem de fazer um trabalho crítico sobre o autor do Alto da compadecida? O fato é que a obra de Ariano é rica por ser produto da tensão entre as duas formas de ver a arte popular sendo também uma tentativa de superá-la. Não seria dificil perceber no projeto mesmo da arte amorial que a fusão do popular e do erudito acontece de maneira tal que os motes populares são estetizados à maneira erudita. A estética é um elemento próprio da erudição(enquanto trabalho refletido sobre o conhecimento de outras formas estéticas) e “populariza-la” seria incorrer em mau gosto. Melhor, mais artistico é fazer o contrário. Eis o conteudo implicito do miserabilismo presente na obra de Ariano. Claro que no discurso dele tudo parece se resolver em frases como: existe bom e mau popular como existem bom e mau erudito. Porém, como creio, isso não elimina o fato das diferentes práticas artisticas em seus respectivos graus de valorização na sociedade(principalmente no campo da arte) continuarem a ser os instrumentos de medida do valor em arte. E quando dou esse exemplo, sei que podemos encontrar no mesmo autor, elementos populistas oriundos de sua admiração da arte popular. Quantas e quantas vezes não vimos Ariano defender a arte do povo pelo simples fato de sua espontaneidade? Ser espontaneo é próprio da cultura popular. Questão de praxis: como averiguar e quem decide o que é o bom e o belo das expressões espotaneas? Ao que vejo só alguns ilustrados, eruditos, na mesma lógica miserabilista de antes, parecem ou aparecem, para conferir valor a tais práticas querendo lhes atribuir valor artistico(talvez o mesmo da arte erudita).

Vejam que não tento resolver aqui o problema, mas e mais apontar para a problemática. Insisto que a tensão é indissolúvel ao meus olhos, contudo acho que a anlise dos limites dela pode ajudar a amenizar os riscos de reprodução do preconceito alheio.

Por hoje é isso que estou cansado.

As perguntas

A Padaria Espiritual foi um grupo literário que existiu no fim do século XIX, em Fortaleza. Existindo em época de grandes transformações estruturais da sociedade brasileira(o programa de instalação da Padaria Espiritual apareceu em maio de 1892 quando República e Abolição eram novidades apreciáveis), o exemplo desse grupo pode servir de indicador das alterações nas maneiras de pensar e agir dos agentes socio-culturais do período.

Como?(Indicações)

A Padaria é o primeiro reagrupamento literário fundado depois da proclamação da República em Fortaleza. E isto, nos diz Nobert Bandier, reforça o traço característico dessa agremiação com relação às outras naquilo que ela aparece como “imediatamente associada à transformação ideológica e cultural do movimento repuplicano no Brasil”. E com efeito, encontramos em Antônio Sales, principal organizador da Padaria, a opinião de que existia uma feição boêmia gerada desde os primeiros dias de República gerando alí (no Café Java na Praça Ferreira, onde os integrantes da Padaria se encontravam)o ambiente proprício para “trocas de impressões sobre arte, os comentários sobre leituras”. E é pensando nessas indicações que se tenta (re)traçar os “efeitos simbólicos da proclamação da República em Fortaleza”. Num colóquio sobre o assunto, foi da relação entre duas formas de cultura, uma de inspiração oral e outra ligada à escrita,que o sociológo “lionais” propunha a hipótese segudo a qual a “modernidade” do período acusa as tensões entre as duas formas de cultura num momento em que a instauração da República reativa dentro do campo intelectual toda uma série de outras contradições.E é de nosso interesse seguir tal pista reorganizando a problemática da modernidade a patir das relações entre formas de cultura em ângulo diferente, redimencionado a compreensão do significado das contradições existentes e caracterizando as tensões socio-culturais enraizadas também na textura de nossas escolhas teóricas…

Para isso, antes de vislumbrar um encaminhamento analítico para o estudo do grupo em questão é preciso, ao meu entender, confrontar-se às dificuldades imbrincadas à escolha da orientação teórica tomada como pano de fundo do estudo ainda em estado de projeto. Força da envidência com a qual incorre em erro o fato de rejeitar, esquecer ou ignorar precauções com relação ao fator de inclinação ideológica com o qual lida qualquer sociologia ao se deparar com a construção de seus objetos, por mais neutros que possam parecer. Particularidades socio-culturais brasileiras constituem assim, naquilo que elas implicam por “antecipação” decorrente do esquema analítico escolhido, uma reflexão sobre a autonomia nos mais diversos sentidos da palavra.

Nesse sentido tentaremos nos escrever em duas frentes teóricas de teor empírico.

Uma Primeira se propondo a realizar o aparante truísmo bourdieusiano se servindo do método comparativo, para comparar: “Analisar diferentes campos(religioso, político, científico, etc.), nas diferentes configurações em que eles podem se encontrar segundo às tradições nacionais, tratando cada um deles como “caso particular” no sentido verdadeiro, ou seja, como um “caso exemplo” entre as configurações possiveis, é conferir toda eficacidade ao método comparativo”. Nssa primeira frente o que está em jogo são as modalidades de construção do campo enquanto conceito operacional, o como considerar os elementos objetivos (posições existentes no espaço social, instituições, etc.) e os elementos subjetivos(tomada de posição, estratégias dos agentes,etc.). Uns e outros devem responder nos seus efeitos heuríticos as exigências da especifidade do caso particular enquanto tal.

A outra frente pode ser vista como complementar à primeira. Ela consiste em dar estabilidade a analise comparativa introduzindo uma reflexão “ad doc” que dê suporte às limitações indicadas pelo tema da autonomia relativa do campo seja ela vista como dado objetivo ou objetivo visado pelo grupo a ser analisado. Ela se insere na reflexão sobre a alternância e/ou ambivalência entre miserabilismo e populismo em sociologia e literatura quando se trata de trabalhos sobre temas nos quais deve-se escolher entre análise ideológica(que é cunho sociológico, estudos sobre formas de dominação) e análise cultural(de cunho digamos assim, antropológico: trantando em relativismo cultural, em termos de autonomia cultural,etc.). O primeiro tipo analítico toma como elemento crucial do real a ser estudado a dissimetria do social e o segundo a simetria interna (cultura) do mesmo. Um e outro nunca se apresentam em estado puro e transitam em alternância e ambivalências pelos textos a fora. Lições dessa tensão devem incorrer da natureza mesmo da Padaria Espiritual que, querendo dar pão de espírito ao povo cearence, parecia querer defender uma arte em sua autonomia artística. Um jornal(O pão)foi criado como forma de expressão da Padaria, e não uma revista literária. Populismo? Se sim, em que sentido? Existe traços daquilo que Sergio Buarque chamou de cordialidade na proposta mesma da Padaria? As questões a tratar são muitas: que é que ser intelectual para um brasileiro intelectualizado da época? O que é o povo para ele? O que é ser intelectual para alguém não escolarizado? Em que a resposta a essas questões podem ser importantes para a consideração das modalidades de constituição do campo intelectual e o entendimento por meio do estudo da Padaria da configuração social local da época?