Blogue de roupa nova

Bem, decidi aderir ao Layout. O problema é que perdi todos os comentários e já não sei mais como resgatá-los. Fiquei bastante triste com isso. Acho que não tem como recuperar. O blogue tá até mais bonito (com mais enfeites), mas perdeu muito… o espaço comentários era o que ele tinha de melhor até aqui. Aos comentaristas desse espaço, minhas sinceras desculpas.
Ps: como vocês podem ver, consegui reverter o processo! Ufa!

Sem Zapping do Domingão

No domingo passado vi ao mesmo tempo estarrecido e emocionado a apresentação da Orquestra Criança Cidadã do Recife no Domingão do Faustão. Quem não se emocionaria com crianças crescidas na miséria que mostram talento e superação ao aprenderem técnicas musicais da música erudita? Talvez minha segunda pergunta não seja tão apelativa e melodramática quanto a primeira, mas preciso fazê-la. Sinto-me impelido, mesmo sabendo correr o risco de ser chamado de aliado de bandidos. Quem não achou absurdo e sem sentido a comparação entre o investimento nas crianças e nos presos, feita pelo maestro Cussy de Almeida? Para quem não viu recordo: “Em Pernambuco, um preso custa aos cofres públicos algo em torno dos R$ 2,5 mil. Sem falar que ressocializar esses detentos é difícil. Por menos da metade conseguimos mudar e dar um direcionamento positivo a essas crianças” (aqui). Achei revoltoso. E, para meu desespero, não encontrei reações a isso. Pensei: claro, quem vai criticar no Brasil alguém que está dando oportunidades a criancinhas miseráveis, mesmo que essas oportunidades sejam dadas em nome de um discurso violento contra pessoas que estão cumprindo pena e que, segundo ele, não valem o dinheiro gasto pelo governo porque “é difícil ressocializar esses detentos”. O que ele sugere: a pena de morte? Tirar o dinheiro gasto nos presídios para se colocar em projetos sociais?

Há quem possa ter interpretado de outra forma o tal discurso. Será que a intenção dele não é só mostrar como é inteligente o governo investir em programas como o dele (de arte ou esporte) para crianças, que têm um custo relativamente baixo, evitando um custo com eventuais “futuros” detentos? Acho que se deve aprender que de boa intenção o inferno está cheio. O teor do que foi dito estava lá: por que gastar dinheiro com “casos perdidos” se podemos ainda apostar nas crianças que, por não estarem ainda totalmente socializadas no esmo da realidade social, custariam menos para aprender Mozart, Vivaldi e não se tornarem com isso vilões sociais? O que para mim demonstra das duas, no mínimo uma: ou pura demagogia, ou desapego aos problemas concretos do nosso sistema penitenciário e às pessoas humanas que estão submetidas (justas ou injustamente) a ele.

***

L´ Ensemble Meloinious: Bandolins Franceses

Fui assistir ontem à noite (17 de Junho) no Teatro Santa Isabel esse quarteto de bandolinistas franceses que muito me agradou. Tocando um repertório diversificado (Kink Kong de F. Zappa, Ainda me Recordo de Pixinguina, Suite Provençale de D. Milhaud entre outros), o conjunto de bandolins tocava arranjos muito criativos e bem humorados misturando de forma muito criativa o erudito com o popular. “ Nossa banda tenta tocar o erudito de forma popular e o inverso é também verdade” dizia um dos músicos durante a apresentação num português quase impecável. Valeu mesmo. Eles de fato mostraram ter uma idéia de “identidade bem elástica” como bem indicou a versatilidade com que os bandolins foram utilizados para tocar do Jazz ao Clássico, do Rock ao Chorinho brasileiro. De Istambul ao Rio de Janeiro, sim, “c´est très elastiques cette notion d´ identité”. Merci au Ensemble Melonious… Que em época de Sarkozis da vida nos lembra com “imaginário delicado e virtuoso” que a França também é terra de uma tênue mistura de ordem com liberdade!

PS: Obrigado Tigrão pela contribuição no nosso papo via MSN.
PS2: No A volta dos que não foram você encontra um interessante texto sobre o Soletrando no programa do Huck.
PS3: O presidente Lula tem mesma opinião que o maestro Cussy. Valeu pela dica Cesar.

Diálogos DIssonantes no MSN ( e platônicos)

em alguma janela de conversação na internet…
[Sem Data Nem Horário] Fortunato Pata-de-Elefante diz: ei doido, qual é teu Marco Teórico?
[02/06/2008 23:28:42] Martinho Ferrador diz :meu marco teórico é Aristóteles e Platão – eu faço uma síntese, tá ligado?
[02/06/2008 23:29:03] Fortunato Pata-de-Elefante diz :hahahha
[02/06/2008 23:29:35] Fortunato Pata-de-Elefante diz :Meu irmão. Tu num sabe de nada. Porra de Aristote e Plutão! Marco Teórico era um cara lá do Ibura, tá ligado…
[02/06/2008 23:30:05] Fortunato Pata-de-Elefante diz :Ele ficou conhecido lá. Matou uma tal Dona Pesquisa. Uma velha era chata, ninguém gostava dela. Tinha uns doido meio sabido que chamava Marco de Raskolnikov, tá ligado!?
[02/06/2008 23:30:16] Fortunato Pata-de-Elefante diz :Três balas na cabeça da velha doida.
[02/06/2008 23:30:25] Fortunato Pata-de-Elefante diz :Botou pra fuder.
[02/06/2008 23:31:11] Fortunato Pata-de-Elefante:A galera gosta dele, porque essa Senhora dava dor de cabeça a todo mundo.
[02/06/2008 23:31:27] Martinho Ferrador diz 😮 bom do Marco é que o bicho gosta de começar tudo, né? qualquer papo ele monopoliza!
[02/06/2008 23:31:52] Fortunato Pata-de-Elefante diz : O Marco se agarante demai!
[02/06/2008 23:32:10] Fortunato Pata-de-Elefante diz :Antes mermo de se perguntar ele já explica tá ligado…? né qualquer um não!
[02/06/2008 23:32:33] Fortunato Pata-de-Elefante diz :e se você discordar, doido, tá fudido, porque Marco bota pra fuder.
[02/06/2008 23:32:41] Martinho Ferrador diz :eh mermo…
[02/06/2008 23:33:23] Fortunato Pata-de-Elefante diz 😦 Marco é real, doido, não é um diálogo platônico não! Deixa essa história de Platão doido. Se liga nas paradas.heheheh)
[02/06/2008 23:33:44] Martinho Ferrador diz :e teu amigo Marco libera os agentes ou prende os agentes sociais? Teu amigo marco é gente boa com os agentes sociais? (a galera que vai fazer trabalho social lá no Ibura?)
[02/06/2008 23:34:32] Fortunato Pata-de-Elefante diz :Oa, Marco é muito ligado nessa coisa de Agência contra Estrutura, tá ligado.
[02/06/2008 23:34:36] Martinho Ferrador diz :Eu ouvi dizer que teu amigo Marco bota pra fuder nos agentes. Mas tem uma boyzinha, que tem outro amigo Marco, e que ele é super gente boa com a galera, deixa ela fazer o que quiser.
[02/06/2008 23:35:30] Fortunato Pata-de-Elefante diz : Meu amigo libera os da Agência (Agência é o nome do puteiro lá do Ibura, tá ligado!) e prende os da Estrutura (que é a galera Associação de Moradores de lá também)… Marco é gente boa. Ele tá com a Agência, que libera. Nunca com a Estrutura, ta ligado? Estrutura prende. Esse outro Marco que tu falou aí é daquela galera lá do determinista. Maió sugeira doido! Tem polícia e tudo.
[02/06/2008 23:35:59] Martinho Ferrador diz :Eh verdade que teu amigo Marco Teórico é francês?
[02/06/2008 23:36:20] Martinho Ferrador diz :Por que eu ouvi falar que os melhores Marcos são estranjas, tudo gringo!
[02/06/2008 23:36:46] Fortunato Pata-de-Elefante diz : Sei direito não.Ele vive tirando onda, dizendo que se dá bem com as Europa e os EstadoZunidos, tá ligado.
[02/06/2008 23:37:09] Fortunato Pata-de-Elefante diz :Se agarante, rapai. Né um zé mané do Brasil não… Aprendeu de fora. Se ligue mermo, né assim não doido!
[02/06/2008 23:37:23] Fortunato Pata-de-Elefante diz :Ele só gosta de coisa fina, importada.
[02/06/2008 23:37:44] Martinho Ferrador diz :Aquela professora inglezia, adora um Marco, né?
[02/06/2008 23:38:35 Fortunato Pata-de-Elefante diz : Mai teco. Marco faz que tem gente rapai, tu num sabe, ele faz que tem gente que escreve um texto em português sobre autor sueco só com referencias em alemão, dá pra tu? tu se agarante?
[02/06/2008 23:39:03] Fortunato Pata-de-Elefante diz :Ela gosta muito de Marco essa professora ai. Mai teco.
[02/06/2008 23:39:20] Fortunato Pata-de-Elefante diz :Dizem que todos abrem pra esse tal de Marco.
[02/06/2008 23:39:30] Martinho Ferrador diz :Tô ligado que Marco tá passando rodo geral nas boyzinhas do CENTRO DE FOFOCAS COTADAS SARCASTICAMENTE (CFCH).
[02/06/2008 23:40:25] Fortunato Pata-de-Elefante diz :totalmente!” Pode passar o rodo, e me mandar embora, que eu vou ficar com o Marco lá do lado de fora!” É o funk do Marco, o Teórico…
ps: Esse texto foi fruto de horas e horas de divagação sobre a filosofia dioreica de Platão. As idéias foram todas tiradas de aula ministrada pelo professor Cesiobaldo Rosa Melo.