Caxambu em fragmentos 4 : micelianas

Esperei um pouco para escrever esse post. Quis experimentar algo parecido com aquilo que Graciliano Ramos descreveu ao falar da experiência de escrever suas memórias de prisão tantos anos depois do evento, e sem o auxílio de notas. Na verdade, essa impressão de estar vulnerável às imprecisões da memória gera um gostinho voluptuoso de estar reproduzindo fielmente uma verdade quase inventada…

No meu caso o tempo que separa meu texto do evento no qual apresentei meu trabalho são apenas alguns dias. Os dois primeiros dias de GT 30 foram descritos com a parcimônia impaciente do imediato no dito: escrevi minhas impressões logo após a vivência daqueles momentos. A sociabilidade foi aquilo que mais me marcou, o isolamento de ser para aquelas pessoas ilustres um “inútil desconhecido”.

Minha apresentação foi um dia depois do contudente posicionamento de Sergio Miceli. Ele havia barbarizado os trabalhos do dia anterior, colocado em questão seus postulados, criticado a maneira leve de lidar com o intelectuais ali sendo analisados. Pontuou a fraqueza metodológica, a secura bibliográfica, o modo de operar. Depois daquele cataclisma o que esperar do depoimento dele para o meu trabalho?

Eu apresentei meu texto depois da Maria Arminda Arruda. O trabalho dela de alguma forma recortava aspectos do meu. Ela busca problematizar, se eu bem entendi, as razões pelas quais a literatura social dos anos trinta se desenvolve na periferia das regiões onde ela supõe que o modernismo se afirmou (São Paulo- Rio) e de alguma forma se difundiu para as regiões periféricas do Brasil(o professor Dimas criticou-a justamente nesse ponto por achar que existe aí uma analise difusionista da cultura que não condiz com a realidade da produção cultural brasileira naquele período). Meu trabalho trata um aspecto mais específico dessa produção, tentando localizar a posição simbólica de uma obra (sua função, seus objetivos, seus conteúdos) a partir da análise documental da maneira que essa obra fôra recebida. Uso o caso emblemático da obra de Graciliano Ramos, que tem sido reverenciada por sua qualidade formal em detrimento de obras que seriam menos cuidadosas nesse sentido (a de Jorge Amado, por exemplo, que seria mais de um realismo chulo), para mostrar que essa obra fôra recebida em função de qualidades pouco ligadas a sua sutileza formal.

O trabalho foi muito bem acolhido. O professor Dimas, que é de literatura na USP, disse que era um trabalho que trazia reflexões importantes para quem exerce o ofício da crítica. Ele ponderou, porém, que no meu texto existia um certo “ímpeto juvenil”, uma maneira por demais incisiva de defender certos pontos de vista que podem ser vistos como problemáticos.

Durante a apresentação, lembro agora, eu estava muito nervoso e com medo do Miceli. Tanto, que falei meu texto quase que olhando apenas para ele. As vezes me dava conta do cacuete, e tentava desfazê-lo, o que fazia transparecer ainda mais meu nervosismo nas trepidação de minha voz e no esforço desajeitado de reter a tremulação do microfone em mãos que só queriam ser mais firmes. Como algo do meu trabalho dialoga com elementos do trabalho dele, meu receio era de ser acusado de “uso indevido” ou de “tratamento desarticulado” da sua proposta de trabalho.

Depois do depoimento do Dimas, vi que o Miceli havia pedido a palavra para comentar meu trabalho. Ao contrário de Dimas, mas sem contrapô-lo, elogiou a disposição para “enfrentar os grandes” e a qualidade do trabalho que com uma análise de contexto trazia a obra para narrativa que contemplava elementos importantes de sua inteligibilidade sociológica.

Depois a Lilia Schwarz chegou a ler um trecho do meu texto onde ela dizia estar explícito aquilo que o Dimas havia salientado. Ele diz na página tal ” A sociologia não pode titubear quanto ao seu papel…”. Dimas havia colocado também como crítica importante, além de meu estilo por demais enfático, que o fato de me servir apenas de uma fonte, o Arquivo Graciliano Ramos, também era problemático do ponto de vista da validação histórica do meu argumento que se daria de forma mais completa, o que concordo plenamente, a partir do cruzamento de diversas fontes. Sugeriu-me que buscasse encontrar os números do Boletim de Ariel (revista de crítica literária talvez a mais importante na época), para tentar confrontar a documentação que tenho com um material mais completo de produção da crítica.

Eu respondi às críticas de maneira honesta. Disse que o meu estilo virulento tinha como origem, além de minha juventude, uma razão institucional, na medida que o tipo de trabalho que venho defendendo não condiz com o modelo de excelência vigente na instituição na qual desenvolvo meu trabalho. Falei que por conta do tempo, para minimizar os efeitos da seleção dada de textos contidas nos recortes de jornais recolhidos por Graciliano, faço uso de um esquema de análise que considera bons e maus críticos alí contidos da mesma maneira: o critério é identificar que atributos qualificavam a obra como de boa ou má qualidade, o que tornou possível a descrição de um padrão de leitura que condizia com as propriedades da obra que estava sendo avaliada. Dimas também havia criticado o fato de eu não ter anunciado desde início do texto o que vinha a ser sociologia implícita, o que dificultava a tarefa do leitor. Eu concordei com a crítica, e disse que aquela falha era tributária do esforço de alocar no mesmo texto partes díspares de minha tese, o que levou a um condensar de elementos de maneira estruturada em função ainda da construção do objeto de estudo. É a ausência da retórica, que é que produz uma clareza de propósito, a razão do defeito apontado. Na verdade, no meu texto o sentido vem junto com a trajetória do pensamento, ele não é então posterior, mas concomitante ao exercício de reorganizar as idéias depois de uma pesquisa já pronta. No meu artigo não tinha ainda a camuflagem onde os esforços que trazem o rendimento heurístico não mais se encontram, onde a modelagem do texto apaga a luta constante para captar o melhor caminho para produzir a melhor inteligibilidade. Eu concordo, é um defeito dificultar a tarefa para o leitor. Mas quando apagamos os traços de nossas dificuldades em detrimento da clareza retórica do “já descorberto” não estaríamos em nome dessa preocupação sendo desonestos ocultando os processos que nos levaram ao nosso propósito?

Para mim o GT e a Anpocs foram um bom momento de reflexão para minha tese. Talvez o único momento onde tive um retorno crítico importante onde quesões metodológicas e técnicas importantes foram colocadas (sobretudo pelo professor Dimas) para o melhoramento do trabalho. Agora é meter bronca nessa reta final. Pois o locus do trabalho parece não estar equivocado em abosluto.

3 pensamentos sobre “Caxambu em fragmentos 4 : micelianas

  1. Pingback: Impressões da LASA 2012- Revisitando o método crítico de Antonio Candido | Blogue do Jampa

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s