Auto-defesa do estilo(para Calós)

Agora com tempo, por que não agitar o blogue com polêmicas mais pessoais? Não são elas também universais? Julia responderia afirmativmente e,concordando com ela, vou divagar sobre as críticas de Carlós. Discordando dele vou discorrer em homenagem ao Apollinaire do Onze mil varas , uma delícia de livro.

Como defender-me do LSD (verboragia-essencialmente-irrelevante)? Comparando o texto ao sexo. Claro, fazendo isso não salvo meus escritos dos defeitos contidos neles. Mas escrita enxuta não é sinônimo de boa literatura(Seria isso paradoxo? Vindo de mim que adoro Cabral, Graciliano?). Seria bom lembrar de fodas para estabelecer essa relação. Ir direto ao assunto é, muita vez, como ejaculação precoce:faz-se tudo antes do tempo, não se aproveita nada, tudo vira perda. Uma boa imagem é a do adolescente virgem na hora de comer a Luana Piovanni. Precipita-se e, sem a tocar, esporra…(Merda!)

Uma boa literatura é, ao contrário, como o bom sexo: violenta ou terna, triste ou feliz, ela não se desfaz dela mesma com precocidade, ela degusta-se. Se trata de cú ou de buceta, não o faz sem lubrificar boa parte dos musculos,sem ao menos cuspir sobre a superficie ardida do estilo. Mesmo se pedófila ou necrófila, a escrita violenta os sentidos pela união sangrenta entre a pica Tutiana e o feofó angelical(qualquer um) arti(cu)lados em estilistica medonha. MAs para garantir o bom texto é preciso bem construir esse efeito de contraste entre bilola gigante e cuzinho. Para isso toda figura de estilo é pouca. Elipses e metaforas, oximores e hiperboles, tudo pode garantir a lentidão necessária ao desejo de não morrer em si mesmo antes da hora…

Então entenda-se assim meu “slowmotion” sentimental: ele revela-se dessa “consciencia/medo” da ejaculação precoce do texto que não desfruta de si mesmo e executa-se mecanicamente em extase não vivido concretamente. Na minha opinião mesmo recado de geladeira deveria adotar uma disposição estilistica, virar meta-recado. Porém o mais importante sem dúvidas é que no final das contas, como toda lentidão, a lombra sempre baixe e que a paz seja garantida com orgasmos massacrados pelo cansaço da foda.

Para concluir, digo logo que não creio que meus textos tenham qualidade de boa literatura.Considero-me um péssimo fodedor de textos.Fodo todos eles! Mas não creio que seja por causa da verborragia. Eh mais pela falta de trato com a língua mesmo. Falar em língua…

FIM.

Anúncios

De tudo um pouco: uma bagunça

Madrugada fria e sem molho no interior da França. Depois de ler o relato-desabafo de Dado sobre alguns “erros” jornalisticos continuo na frente dessa tela que perde em brancura para poder virar texto, uma violência. Tinha assistido na TV francesa um debate sobre o terrorismo.Ontem postei algo sobre a morte. Tudo parece trágico, medonho, tinhoso.

Mas sinto-me paradoxalmente cheio de força para a vida. Talvez nunca tenha tido em minha existência período de tamanha vontade interior de viver. Desejo de abraçar o mundo. Não apenas com ciência, mas com política. Não apenas sabendo-o como é, mas desejando-o como poderia ser se… E a morte nunca esteve tão próxima de meus pensamentos. E jamais senti-me tão perto dela. Sim. E parece ser mais verdadeira a vida medida pelo valor da perda. Perco pouco a pouco o medo da dor. Não por costume, mas porque vive feliz quem consegue comparar sofrimento e alegria aceitando-os como plenitude do ser.Nitszcheano dirão alguns. Talvez. Porém já havia sido mais quando lia nas escuras da adolescencia as palavras cortantes do filósofo alemão. Hoje sinto-me distante das coisas sintomáticas desse tempo. Longe do falso paradoxo entre visões do mundo mais otimistas e pessimistas à Bernardo Jurema: o copo está meio cheio ou meio vazio BJ? Como se o meio isso não fosse já e por definição o meio aquilo. Nem precisar sair da lógica formal é preciso para parar de brincar com coisas sérias. Sei. O copo pela metade não muda o mundo. Mas se ele ajudar a Bernardo a não cair no golpe jornalistico do relativismo do ponto de vista, seria já uma alma burguesa salva do inferno da doxa infra-ideológica do homorelativiticus! E ver Dado querer lutar pela verdade é um prazer. Pois para isso é preciso sair também dessa lógica do cada qual com seu ponto de vista. Nem toda verdade é construida de mesmo modo nem com as mesmas astucias… Jornalistas não criam fatos, muito menos verdades. E as palavras, mesmo não sendo apenas palavras, sabemos a força que elas podem ter, não são correlatas imediatas nem do fato nem da verdade. Daí a palavra ter mais força quando dita de certos lugares sociais, daí a imporância de saber quem diz o quê e aonde, de onde ele diz(em qual jornal, por exemplo)…

Sim. Sinto-me forte. Mais ainda porque penso em fazer pouco. Dar aulas, praticar minha profissão. E fazer política como sempre fiz. Do meu jeito, falando com as pessoas. Discutindo filosofia barata, sociologia de três tostões. Trabalhando com uma profunda motivação interior. Fazendos das questões do mundo minhas questões e das minhas questões questões do mundo. Meu trabalho foi já antes da defesa bastante elogiado. Se tudo der certo, ano que vem posso começar um doutorado. Não me imagino doutor de nada. Ontem me peguei foi em sonho ensinando escolas primárias,adolescentes do segundo grau. Vendo naqueles meninos brutos um reflexo de minha adolescencia(bruta, até ela!). Via-me em sala de aula reconhecendo-me neles, na impossibilidade deles de aprender com os livros, com os números. E como um Graciliano criando Fabianos e Paulo Honorios a sua imagem e semelhança (com qual fineza Graciliano usa a escrita restrita de Paulo Honório como sendo uma projeção objetivada de seu própio estilo denso e utilitário-“a palavra foi feita não para enfeitar mas para dizer”), vi-me dizendo palavras minhas, exortando minhas malditas dificuldades, triunfando ao jogar uma ignorância contra aquelas tantas outras. Sinto-me forte sim. E cheio de amor arrogante e católico. Amor pelos fracos. Decadence! Diria Nietszche. Não me importo. Do Anticristo guardo comigo a impaciência do filósofo para com a hipocrisia sacerdotal. Também não é a fraqueza dos fracos que é produtora de minha misericordia(digamos assim!).

Estou quase cansado desse escrito mal redigido. Estamos por aqui nas vesperas da comemoração do Dia D, 60 anos. Ainda guerra. Meus conhecimentos de história da

Segunda Guerra são tão profundos que me atenho a dizer: os primeiros 20 minutos do Em busca do soldado Ryen é de um realismo terrivel.

Michael Moore é tão idiota quanto Bush.(Dizer isso choca alguém?)

Michael Jackson é inocente: ele nunca comeu niguém, muito menos criancinhas.(Dizer isso choca alguém?)

O terrorismo é uma forma de guerra como qualquer outra.( Dizer isso choca alguém?).

Vamos lá gente força. Com Vampiros ou sem eles, com simplicidade e sem moralismo, a gente chega em algum lugar. Se for no inferno, levamos uma aguardente pro diabo… Se for no céu, pode deixar que eu me ocupo do vinho: tem um tal de Chateau neuf du pape, é um verdadeiro milagre!

Droga: deve realmente existir mais entre o céu e terra do que nossa vã filosofia… Ai de nós!